O que acontece se a palavra estratégia for trocada por logística?

Se estratégia (do grego στρατηγία stratēgia, arte de liderar, comando) é plano de alto nível para atingir um ou mais objetivos em condições de incerteza, logística é planejamento, organização, implementação e gestão da operação e do fluxo de itens físicos e abstratos (como o tempo e as informações) para este fim.

Se é assim, o que aconteceria se a palavra estratégia fosse trocada por logística? Se a ênfase e ponto de partida da empresa estivesse na precisa definição da logística - antes do mapeamento da sua estratégia? Seria isso viável, interessante, criativo ou descabido? Se é a logística quem dita quando, em quanto e para onde se mover, e o que é necessário ter, não seria ela quem definiria a estratégia - e não o contrário?

Discutir o que parece indiscutível, saudável é. E esta é uma investigação. Foi Tom Peters quem fez a provocação no Twitter nesta semana: "Minhas 2 cotações de estratégias favoritas: (1) Omar Bradley, "Os amadores falam sobre estratégia, os profissionais falam sobre logística". (2) Jack Welch na definição de estratégia, "Escolha uma direção geral - e implemente-a com tudo".

Plano ou implementação e gestão eis a questão... Se a logística da entrega e do pós-venda de software não estiver muito bem alinhada, quem vai sofrer é a pré-venda das vendas futuras. Cancelamentos? Sim, surgirão. Melhor não...

Comentários