É a incerteza que trava a ação

Mudanças abruptas travam ações. O Reino Unido entrou em compasso de espera neste pós-Brexit, empresas entram em espera enquanto sócios não se entendem, pessoas precisam de tempo enquanto vivem e processam um luto por qualquer razão.

Mas há uma perda invisível que trava a ação - e esta perda invisível pode acontecer todos os dias. 

O cliente é agente ativo da primeira trava. É ele quem adia a decisão e alonga o processo se a compra não lhe parecer prioritária. Se prioritária não for ou não lhe parecer, adia (ou não faz) a compra. Se prioritária for / lhe parecer, prossegue. Somos a ponte, os criadores de visão, os demonstradores da razão para a compra e do valor do que vendemos.

Sua empresa pode ser o agente ativo da segunda trava. Surpreso? O vendedor pode se ver travado com a inconstância e a incerteza das decisões da sua própria empresa na definição:
  • das condições da oferta
  • dos clientes / público-alvo prioritários
  • dos rumos tecnológicos
  • dos rumos empresariais
O país é o agente ativo da terceira trava. Incertezas políticas e econômicas são paralizantes, sabemos bem, e precisam ser destravadas. 

Mark Danielewski diz que "maturidade, um descobre, tem tudo a ver com a aceitação do não saber". Além do aprendizado, haveria então sabedoria na incerteza?

Decisões devem ser pensadas, refletidas, sentidas, desmembradas e rapidamente implementadas. Sabedoria então teremos nas certezas - e nas ações.

Comentários