Ideias criativas nascem de novas combinações de velhas ideias


Às vezes leio 4 livros ao mesmo tempo, às vezes fico sem ler um tempo e só escrevo. Impresso ou pelo Kindle (e-book), os livros que leio ficam cheios de observações, sublinhados, páginas marcadas. Tudo que chama a atenção e toda ideia que nasce do que me chama a atenção fica anotado. Quando termino a leitura, faço imediatamente uma segunda leitura do mesmo livro, mas agora só lendo o que observei, sublinhei, marquei. Além de gravar mais, esta segunda leitura sumarizada já tem a minha reflexão e o insumo do que vou levar para a ação a partir dali. O que percebi no que li não será facilmente esquecido.

Ontem terminei de ler o "Creative Thinkering", livro de Michael Michalko. Segue o que achei mais importante (entre as aspas) e observações minhas (fora das aspas):

"Quando você pensa que sabe as respostas baseado no que aconteceu no passado, seu pensar morre. Pensamento criativo requer a viva habilidade de gerar um conjunto de associações e conexões entre 2 ou mais elementos não similares. A chave para criativamente gerar associações e conexões entre elementos não similares é a "mistura ou combinação conceitual". Pense além das convenções, force conexões entre 2 elementos diferentes. Ideias criativas nascem de novas combinações de velhas ideias. E novas ideias surgem nas conversas e no trabalho conjunto de pessoas de experiências e campos de conhecimentos diferentes, combinando pensamentos, variáveis e elementos."

Mudar a forma de olhar ajuda a criar? Sim.

"Não somos ensinados a pensar, somos ensinados a reproduzir o que já pensaram. Em vez de nos ensinarem a procurar por possibilidades, fomos ensinados a procurar formas de excluír estas possibilidades. Quanto mais educação as pessoas têm, mais caixas e gavetas de classificação elas constroem, mais especializado é seu conhecimento e mais limitada se torna a sua imaginação. A mente segrega a informação, ao invés de integrá-la."

"Gênios são gênios porque formam mais combinações do que os meramente talentosos", diz Dean Keith Simonton. E Michael Michalko complementa: "Pensadores "criativos" formam mais novas combinações porque rotineiramente combinam conceitualmente objetos, conceitos e ideias de dois contextos ou categorias diferentes." Pensadores "lógicos" consideram tais elementos em separado, não conseguem combiná-los por estarem em categorias diferentes. Mas "é a combinação de diferentes conceitos que leva a ideias originais e percepções ("insights") e que cria novos padrões de pensamento. As novas ideias serão não somente maiores do que a soma das partes mas serão "diferentes" das somas das partes."

Compreender como algo funciona é necessário para ser criativo? Sim. A concentração "nas essências e princípios ao invés de nas etiquetas e categorias" é importante? Sim.

Os insights acontecem quando convivemos em um estado consciente e até mesmo inconsciente de incessante procura por novas alternativas para essências e princípios. E, num instante, sem aviso, pode vir o... "isso"!

Michalko continua: "A criatividade vem da observação das relações entre objetos e não dos objetos em si. Pensar em termos de essências e princípios liberta a sua imaginação das restrições de palavras, etiquetas e categorias." Muitos pensadores criativos têm a prática de colecionar frases, artigos, figuras, palavras, desenhos, fotos e outros items "que possam estimular a imaginação para ideias por associação". Que características cada item tem? Que associações podem ser feitas a partir dessas características? Que combinações podem ser feitas entre o item e algum problema a resolver ou oportunidade a aproveitar?

"Trabalhe em dois ou mais problemas não relacionados em paralelo. Quando você der uma parada num problema, concentre-se no outro problema. Quando você para de pensar e decide esquecer algo por um tempo, seu subconsciente não para de trabalhar. Seus pensamentos se manterão colidindo, combinando e fazendo associações e seu subconsciente trará conexões intuitivas" originais.

Vemos as coisas como elas são ou como somos? 

"Cada ato de percepção é uma experiência subjetiva e pessoal. Nosso cérebro interpreta o mundo de forma a alinhá-lo com o que queremos enxergar - e bloqueia a visão do que não queremos ver. Este seria o porquê de especialistas de qualquer campo de conhecimento terem suas próprias teorias e crenças. Mas, para reduzirmos pré-conceitos nos pensamentos, necessário é termos diferentes olhares. Havendo uma multiplicidade de perspectivas, uma nova consciência criativa se manifesta e expandem-se as possibilidades.

Percepção é um processo ativo e você cataliza o pensamento criativo ao olhar de várias perspectivas. Com cada nova perspectiva, seu entendimento se aprofunda e as possibilidades criativas se expandem - Leonardo da Vinci chamava esse pensamento "super vedere", super visão, o que significaria "conhecendo como ver."

É a ausência da evidência uma evidência da ausência?

A habilidade de imaginar ideias ou imagens opostas ou contraditórias existindo simultaneamente permite uma inteligência além do pensamento lógico. A maioria dos paradoxos nos faz sentir inseguros porque fomos ensinados a manter opostos separados." Parece que esquecemos que "todos os opostos se originam de um centro comum" e que "não existe segurança no tentar controlar posições fixas, mas sim, curiosamente, no movimento e no fluxo contínuo.

Pensadores criativos podem se imaginar nas mentes de outras pessoas, no lugar dos outros", diz Michalko ao final do livro. E não é que este é um princípio similar ao nosso "olhar através dos olhos dos clientes" da Engenharia de Vendas?

Comentários

  1. Oi Aísa, que bom que descobri o seu blog, aliás, antes de ler seu artigo, já sabia que iria gostar. Fico feliz de confirmar que minhas percepções quanto a você, mesmo em tenra idade se sustentaram até hoje. Eu não saberia dizer que caminhos você tomaria, mas sempre soube que qualquer que fosse ele, seria brilhante,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, querida Janine, feliz também estou com este reencontro! Gratidão pela previsão e generoso e elegante comentário!

      Excluir

Postar um comentário