A agitação que se espalha... ou não...

Uma pessoa agitada é rapidamente reconhecida. Não para quieta, anda sem ritmo, respira intranquila - arfa e suspira. Olha em todas as direções e parece não ver nada do que olha. Nervoso, fala alto - e as palavras, ditas sem pensar, adquirem perigosa vida própria.

O problema fica maior se percebemos o quanto uma pessoa agitada espalha esta agitação onde está. O ambiente fica intranquilo, pessoas saem ou se curvam, olham para baixo. Defendem-se não encontrando o olhar daquele que está pronto a explodir.

Agitação é puro desperdício de energia. É custoso, ineficiente, cansa e afasta as pessoas... É o que você quer?

Então, adaptando parte do que já escrevi aqui (este é um dos meus posts favoritos), 4 sugestões para que a harmonia seja constante na sua vida (e não a agitação...):
  1. Reconheça que o medo, a culpa e/ou o ego são as causas da agitação. A pergunta importante então é por que você não quer estar aqui e agora? O quanto o medo, a culpa, o ego, a irritação, o despreparo, o esquecimento, o passado e o futuro estão tirando você deste exato momento? Por que?
  2. Lembre que o que você acredita (Deus, Mistério, Presença, Universo, você próprio, nada, o Vazio) e as pessoas com as quais você comunga propósitos (os grupos, as sanghas, as comunidades, as associações, as pessoas dos seus projetos pessoais e/ou as pessoas da sua empresa) são poderosas fontes de energia para acolher e neutralizar qualquer agitação;
  3. Lembre que seu propósito maior, seu talento maior, o seu dom, é também um fortíssima fonte de tranquilidade e energia;
  4. Entenda que a prática continuada de meditação permite uma reserva de tranquilidade para acolher e neutralizar possíveis fontes de agitação. De 2 minutos a tantos mais que sejam com os olhos fechados observando os pensamentos que passam pela mente, a energia acumulada numa meditação diária traz não só mais tranquilidade para lidar com imprevistos mas também mais concentração e foco para lembrar mais e errar menos no dia de trabalho.
Sim? 

Comentários