Não vamos desistir do Brasil, Eduardo

Muito difícil voltar ao trabalho normal depois de perder um líder como Eduardo Campos. Quem vive em Pernambuco sabe o que aconteceu aqui nos últimos 8 anos. Um estado com desafios, mas de gente valorosa e trabalhadora, passou a crescer em ritmo asiático com a visão de um governador gestor que fazia uso intensivo de tecnologia brasileira para planejar ações inovadoras e acompanhar e cobrar entregas e resultados.

Praticamente todo pernambucano tem uma história para contar sobre Eduardo. Da família aos amigos de infância / faculdade / trabalho público, de próxima relação pessoal ou à distância, eleitores ou não, havia uma majoritário bem-querer em relação a ele. Eduardo falava muito, e muito bem, e também ouvia muito, e muito bem. Curioso e atento, piscava poucos os olhos, tal a energia e o entusiasmo bem-humorado que tinha. Sem falar na memória e no discernimento imediato do que lhe acontecia...

Seria karma do país perder prematuramente grandes líderes? Se for, tal é, e vamos ter que lidar com isso. Mas o exemplo que é amplamente dado é também seguido. Muita gente conseguiu enxergar o caminho de um país mais desenvolvido "e" mais justo. Calma e tranquilidade para este período de transição serão vitais. Uma coisa é certa: não vamos desistir do Brasil, Eduardo.

Comentários