Se servisse, pessoa certa seria...

Bill Gates diz que não importa você ter um produto e planos de produção e de marketing perfeitos se não tiver pessoas certas para comandar e levar adiante esses planos.

Norberto Odebrecht dizia que riqueza verdadeira não existia sem saúde, ética, trabalho e produtividade. E falava que ele tinha sido educado para servir e não para ser servido.

Quem são as pessoas certas para você? Quem é certo para dirigir sua área de vendas? Quem é certo para compor sua equipe de vendas? Que características devem ter? Como devem se portar, que atitude devem mostrar? Será que não é exatamente "a seriedade na preparação para servir" o que diferencia quem é certo de quem não é?

Será que não é o aprendizado e o foco e competência no real servir aos outros, quem estes sejam, o que faz do "servidor" a "pessoa certa"?

Vamos imaginar o contrário: o que faria uma pessoa que gosta de ser servido ser a pessoa certa? Que características tem quem gosta de ser servido? Qual é o foco maior de quem gosta de ser servido? O que os move - voz de comando, autoridade e egocentrismo? Mostram qualidades e defeitos alternados, mas não sentem real compaixão pelos que não são como ele. Não os ouve, não os vê. Retêm o que têm. Acumulam. Mas de que adianta conhecimento e experiência não compartilhados, não espalhados, não em movimento, perdendo-se a chance de gerar mais conhecimento e experiência para mais pessoas, inclusive para o não servidor?

"Entender" (entender uma pessoa, uma situação, uma oportunidade, uma questão...) é a soma de conhecimento com sentimento. O servidor conhece e sente. Sente compaixão e empatia pelo outro. Olha através dos olhos do outro.

O não servidor? Não sente, embora diga que sim. Foi educado para ser servido - e não para servir...

Se sentisse, serviria... Se servisse, pessoa certa poderia vir a ser um dia...

Comentários