segunda-feira, 11 de novembro de 2013

É possível ser regularmente competente no que se faz?

É possível ser regularmente competente no que se faz?

Sim. Com uma condição: presença. 100% presença.

Hoje vejo o quanto estamos diariamente divididos entre as preocupações do futuro e as culpas do passado, deixando pouco tempo para a presença no presente. Nenhum sentido isso faz, mas assim é. Somos programados, codificados, educados, para viver assim...

Carregamos a culpa dos erros em punição pelo que fizemos, quase como que num processo de auto-mortificação. Aprender com os erros é qualidade, mas se culpar indefinidamente é defeito. O outro extremo traz também sofrimento. A auto-indulgência, a imediata auto-desculpa sem aprendizado para as próximas ações, é também defeito.

Projetamos um mundo de preocupações no nosso futuro. Fazemos isso a toda hora. Quando pensamos e falamos em nós, nas nossas empresas, no nosso país, projetamos o futuro mais do que realmente enxergamos o presente. As expectativas predominam. Negativos que somos quando nos sentimos ameaçados (e tanto assim sentimos...), prevemos o caos, antes do caos se instalar. O medo nos faz ter medo. Menos àqueles que realmente enxergam o seu  presente: até porque pela ação presente se pode mudar o futuro que ainda não veio.

Na semana passada uma grande e querida amiga  me lembrou um histórico do que já fiz quando antecipavam a improbabilidade desses feitos. 100% presença é a razão e a grande diferença entre os que fazem e os que não fazem. Competência a gente acumula, aperfeiçoa, mas se não estivermos presentes, como podemos conversar com alguém? entender alguém? aprender com alguém? compartilhar com alguém? ajudar alguém? vender para alguém?...

Em toda e qualquer circunstância, um caminho será encontrado ou construído. Presentes, conseguimos encontrar e construir caminhos, perceber e tratar o fácil e o difícil. Ausentes, prevemos o fim, paramos, e nos culpamos. Como é difícil lidar com o difícil. 

Então... onde você está agora? 100% presente no que está fazendo? Ou divagando, ausente? E quando o cliente está falando com você? Presente ou ausente? E quando o chefe ou sócio está falando com você? Presente ou ausente? Sua vida está passando... e você? Presente ou ausente?...

3 comentários: