Mundo de oportunidades!

Ok, sendo bem direta: quem gosta de ler e domina o inglês tem 2 vantagens competitivas claras. Alguns artigos que saíram na mídia internacional nas últimas semanas podem catalizar (lembra?) aplicações práticas, seja em que contexto estivermos.

Bloomberg Businessweek publicou "Computer Interfaces: tech's next great frontier" : Drake Bennett mostra a relação direta entre o sucesso potencial de novos projetos e empresas com o desenvolvimento de "interfaces" (redes sociais, comércio eletrônico, sites? menos promissores..). O trabalho com interfaces é focado na entrada e na saída de dados, em qual é a melhor maneira de acionar o computador e entregar a informação ao usuário. Ver com a língua, mover sem o braço/mão, controlar sem tocar são exemplos de interfaces que veremos - e usaremos - no futuro..

The Wall Street Journal publicou 3 artigos interessantes:

- "Is smart making us dumb?" : Evgeny Morozov mostra as crescentes aplicações do binômio "sensores + redes sociais": carros que freiam, eletrodomésticos que alertam, talheres que sinalizam, latas de lixo que checam, até com posts no Facebook, em alguns casos. "A idéia central é clara: engenharia social que se disfarça como engenharia de produto", contesta Morozov. "As pessoas vão gastar menos tempo lidando com tecnologia..  porque ela vai ser transparente, contínua", diz Eric Schmidt (sim, Google).

- "A wristwatch tells when Phone calls, emails arrive": quer ir correr e está no aguardo de uma mensagem ou e-mail importante mas sem hora certa para chegar? Pode colocar o Pebble no pulso and go..

- em "Our chat with the BRIC builder", Jim O'Neill, Presidente da Goldman Sachs Asset Management e economista inglês que criou o termo "BRIC" há mais de 10 anos (num exercício de futurologia econômica brilhante!), reafirma que Brasil, Rússia, India e China (os países BRIC) serão os verdadeiros condutores da economia global e responderão, já a partir de 2015, por um PIB provavelmente superior ao dos Estados Unidos.

Por aqui, o Valor Econômico publicou "Computador, agora, é peça do guarda-roupa", falando sobre o "wearable computer", aquele que vestimos/vestiremos! Sensores de toda a ordem (ainda novos e subutilizados hoje) vão estar, crescentemente, dentro nos nossos guarda-roupas..

Maravilhoso mundo novo, cheio de oportunidades.. É enxergá-las e trabalhar (muito!) nelas...

Comentários